Semana: de Semana: de 13 a 18 de Julho de 2020

ESCLARECIMENTOS

ENQUANTO ESTIVEREM SUSPENSAS

TODAS AS REUNIÕES

Tendo em vista as contingências atuais, que nos impossibilitam a realização das reuniões públicas presenciais, com os passes (como já é do conhecimento de todos), com o objetivo de melhor esclarecer, informamos:
(1) Manteremos a nossa programação atualizada, para a eventual liberação e voltarmos à normalidade; então, não ocorrerá nenhum improviso, pois manteremos esta programação disponível.
(2) Durante este momento especial, continuaremos com a nossa reunião virtual, ao vivo, às segundas-feiras às 19h, pelo Facebook e Instagram. Abordando o tema previsto na programação, para cada semana.
(3) Nosso objetivo é possibilitar, pelo menos uma vez na semana, o estabelecimento da conexão de todos pelo pensamento e desta forma, além do prosseguimento dos estudos evangélicos e doutrinários, continuarmos a nos fortalecer para o trânsito deste período com: tranquilidade, fé e esperança... Como dizia o nosso Chico: “-Tudo passa... isto também vai passar.”
(4) Estamos trabalhando no aprimoramento desta nova experiência: nossa reunião virtual às segundas-feiras, 19h; contamos com a compreensão de todos, pelos imprevistos, quando ocorrerem, principalmente aqueles que independam do nosso controle. (LAR DE TEREZA: Área de Estudos Doutrinários)

Tema da Semana:

ESPÍRITOS ERRANTES

(O Livro dos Espíritos - Allan Kardec Parte II – Capítulo V, Item: 223 a233)

233. A alma reencarna logo depois de se haver separado do corpo?
“Algumas vezes reencarna imediatamente, porém de ordinário só o faz depois de intervalos mais ou menos longos. Nos mundos superiores, a reencarnação é quase sempre imediata. Sendo aí menos grosseira a matéria corporal, o Espírito, quando encarnado nesses mundos, goza quase que de todas as suas faculdades de Espírito, sendo o seu estado normal o dos sonâmbulos lúcidos entre vós.”
224. Que é a alma no intervalo das encarnações?
“Espírito errante, que aspira a novo destino, que espera.”
a) — Quanto podem durar esses intervalos?
“Desde algumas horas até alguns milhares de séculos. Propriamente falando, não há extremo limite estabelecido para o estado de erraticidade, que pode prolongar-se muitíssimo, mas que nunca é perpétuo. Cedo ou tarde, o Espírito terá que volver a uma existência apropriada a purificá-lo das máculas de suas existências precedentes.”
b) — Essa duração depende da vontade do Espírito, ou lhe pode ser imposta como expiação?
“É uma consequência do livre-arbítrio. Os Espíritos sabem perfeitamente o que fazem. Mas, também, para alguns, constitui uma punição que Deus lhes inflige. Outros pedem que ela se prolongue, a fim de continuarem estudos que só na condição de Espírito livre podem efetuar-se com proveito.”
225. A erraticidade é, por si só, um sinal de inferioridade dos Espíritos?
“Não, porquanto há Espíritos errantes de todos os graus. A encarnação é um estado transitório, já o dissemos. O Espírito se acha no seu estado normal, quando liberto da matéria.”
226. Poder-se-á dizer que são errantes todos os Espíritos que não estão encarnados?
“Sim, com relação aos que tenham de reencarnar. Não são errantes, porém, os Espíritos puros, os que chegaram à perfeição. Esses se encontram no seu estado definitivo.”
No tocante às qualidades íntimas, os Espíritos são de diferentes ordens, ou graus, pelos quais vão passando sucessivamente, à medida que se purificam Com relação ao estado em que se acham, podem ser: encarnados, isto é, ligados a um corpo; errantes, isto é, sem corpo material e aguardando nova encarnação para se melhorarem; Espíritos puros, isto é, perfeitos, não precisando mais de encarnação.
227. De que modo se instruem os Espíritos errantes? Certo não o fazem do mesmo modo que nós outros?
“Estudam e procuram meios de elevar-se. Veem, observam o que ocorre nos lugares aonde vão; ouvem os discursos dos homens doutos e os conselhos dos Espíritos mais elevados e tudo isso lhes incute ideias que antes não tinham.”
228. Conservam os Espíritos algumas de suas paixões humanas?
“Com o invólucro imaterial os Espíritos elevados deixam as paixões más e só guardam a do bem. Quanto aos Espíritos inferiores, esses as conservam, pois do contrário pertenceriam à primeira ordem.”
229. Por que, deixando a Terra, não deixam aí os Espíritos todas as más paixões, uma vez que lhes reconhecem os inconvenientes?
“Vês nesse mundo pessoas excessivamente invejosas. Imaginas que, mal o deixam, perdem esse defeito? Acompanha os que da Terra partem, sobretudo os que alimentaram paixões bem acentuadas, uma espécie de atmosfera que os envolve, conservando-lhes o que têm de mau, por não se achar o Espírito inteiramente desprendido da matéria. Só por momentos ele entrevê a verdade, que assim lhe aparece como que para mostrar-lhe o bom caminho.”
230. Na erraticidade, o Espírito progride?
“Pode melhorar-se muito, tais sejam a vontade e o desejo que tenha de consegui-lo. Todavia, na existência corporal é que põe em prática as ideias que adquiriu.”
231. São felizes ou desgraçados os Espíritos errantes?
“Mais ou menos, conforme seus méritos. Sofrem por efeito das paixões cuja essência conservaram, ou são felizes, de conformidade com o grau de desmaterialização a que hajam chegado. Na erraticidade, o Espírito percebe o que lhe falta para ser mais feliz e, desde então, procura os meios de alcançá-lo. Nem sempre, porém, lhe é permitido reencarnar como fora de seu agrado, representando isso, para ele, uma punição.”
232. Podem os Espíritos errantes ir a todos os mundos?
“Conforme. Pelo simples fato de haver deixado o corpo, o Espírito não se acha completamente desprendido da matéria e continua a pertencer ao mundo onde acabou de viver, ou a outro do mesmo grau, a menos que, durante a vida, se tenha elevado, o que, aliás, constitui o objetivo para que devem tender seus esforços, pois, do contrário, nunca se aperfeiçoaria. Pode, no entanto, ir a alguns mundos superiores, mas na qualidade de estrangeiro. A bem dizer, consegue apenas entrevê-los, donde lhe nasce o desejo de melhorarse, para ser digno da felicidade de que gozam os que os habitam, para ser digno também de habitá-los mais tarde.”
233. Os Espíritos já purificados descem aos mundos inferiores?
“Fazem-no frequentemente, com o fim de auxiliar-lhes o progresso. A não ser assim, esses mundos estariam entregues a si mesmos, sem guias para dirigi-los.”

Bibliografia complementar:
- Depois da Morte – Capítulo XXXIV - Léon Denis - várias editoras;
- O Pensamento de Emmanuel – Capítulo 21 e 40 - Martins Peralva, FEB;
- Roteiro – Capítulo 29 – “Além da morte” - Emmanuel (Francisco C. Xavier), FEB - O Problema do Ser, do destino – 1a Parte - Cap. XI – “A Vida no além – Léon Denis, várias editoras;



PERMUTA

Fonte Viva

À feição dos companheiros encarnados que preparam na infância o futuro da experiência terrestre, os espíritos desalgemados da teia física organizam, junto dos próprios homens, o porvir que os espera.
O lavrador de hoje assegura o pão de amanhã, utilizando perseverança e prudência e, nós outros, nos eventos da marcha, não podemos dispensar a permuta constante dos valores que nos são próprios, no instituto da previdência espiritual, que nos garante o êxito necessário ao serviço de ascensão que nos cabe à frente da vida.
A morte do corpo não atesta sublimação e o portal do sepulcro não expressa milagre.
Somos o que fomos, com o impositivo da educação, para que sejamos o bem que todos devemos ser.
É assim que, estudantes deficitários e trabalhadores em regime de deserção e carência, desenfaixados do corpo denso, conseguimos, por permissão do Senhor, continuar operando com os laços da retaguarda, de vez que o recomeço será para todos nós a escola imprescindível.
Por essa razão a mediunidade é luz de todos os tempos, em cujo clima, inteligências corporificadas no mundo e libertas, no campo espiritual, se imantam à mesma obra de regeneração e esperança, promovendo a silenciosa e incessante renovação de todos os fatores da nossa viagem evolutiva.
Com o mesmo devotamento com que plantais o amor na mente de vossos filhos, tentando, por todos os meios ao vosso alcance, a redenção da juventude terrestre, também nós, com todo o empenho de nossas almas, consagramo-nos ao reajustamento da civilização de que sois responsáveis, porquanto, assim como talareis em vossos rebentos familiares a colheita de vossos próprios ensinamentos, também nós colheremos amanhã em vós outros, através da reencarnação, a resposta às nossas palavras e o fruto de nossas próprias obras. *

EMMANUEL
(Do livro: SEMEADOR EM TEMPOS NOVOS, Francisco Cândido Xavier, GEEM)

Horários

Sede (Copacabana)
quarta: 8h30min e 19h30min
sexta: 16h

Núcleo Paulo e Estêvão
segunda: 14h, 17h30min, 19h e 20h30min
terça: 08h30min
quarta: 14h
sexta: 14h, 18h e 20h

Núcleo Emmanuel (Jacarepaguá)
terça: 14h
quarta: 20h

Casa de Renato (Austin)
sábado: 17h


Expositores previstos da semana

Sede (Copacabana)
15/07 (quarta) - 08h30min – Jeannette Riddell
15/07 (quarta) - 19h30min – Elisa Hillesheim
17/07 (sexta) - 16h – Marilena Kfouri

Núcleo Paulo e Estêvão
13/07 (seg.) - 14h – Céres
13/07 (seg.) - 17h30min – Maristela
13/07 (seg.) - 19h – Lucas Antunes
13/07 (seg.) - 20h30min – Lucas Antunes
14/07 (ter.) - 08h30m – Ana Maria
15/07 (qua.) - 14h – Eder Andrade
17/07 (sex.) - 14h – Márcia Prates
17/07 (sex.) - 18h – Mariana Lutterbach
17/07 (sex.) - 20h – Mariana Lutterbach

Núcleo Emmanuel (Jacarepaguá)
14/07 (terça) - 14h – Aguardando
15/07 (quarta) - 20h - Aguardando

Casa de Renato (Austin)
18/07 (Sábado) – 16h30 – Aguardando


OBS.:

OBS: Para consultar a programação do mês, completa, acesse o NRI: Novos Rumos Informativo, neste mesmo site.